VOANDO COM A EGYPTAIR

Quero começar este post dizendo que vou me esforçar o máximo para não ser demasiado crítica com o povo egípcio. Tenho recebido alguns comentários dizendo que eu só falo mal do Egito e tal. Mas devo reconhecer que realmente não sou do tipo de pessoa compreensiva, daquelas que vê um lado bom em qualquer situação. Sou estressada, crítica e meu “pavio” é bem curto, inclusive com os brasileiros também.

Mas quando trata-se de voar, devo dizer que não tem como ser muito polida não. Pois esta é uma das situações que mais me deixam inconformada aqui no Egito.

A Egyptair é a principal (e talvez a única) companhia aérea do Egito. No que se refere a rotas, ela é super completa. Possui vôos diários para Europa e toda a África. Os preços são super em conta e preciso dizer que ela tem facilitado e muito minha vida (milhas). Mas quando se trata de qualidade em serviços e atendimento… Bem, aí começam os problemas.

Voar com a Egyptair é uma aventura e tanto.

A diversão já começa logo na chegada ao aeroporto. São filas e filas para o Raio X. Aí você vai dizer que em Guarulhos também é assim e blá blá blá. Concordo!!! Detesto Guarulhos!! Mas em São Paulo o problema geralmente se dá pela quantidade de pessoas a embarcar. Aqui o problema é a quantidade de MALAS.

Povo egípcio não sabe viajar com uma malinha básica. Tem que levar o armário todo!!! São quilos e quilos de malas, vários carrinhos de bagagens e ainda as sacolinhas de supermercado que as mulheres levam consigo, além da bolsa e da mala de mão.

Aí você está lá na fila do check-in quando na sua frente tem uma família inteira (cerca de 8 pessoas no mínimo) se debatendo e gritando com o atendente porque querem sentar na janelinha…

Inutilmente o atendente tenta explicar que o vôo está lotado e que não tem o que fazer. Mas egípcio que se preza não se dá por vencido, chama logo o supervisor e aí começa aquele papo de “Você sabe com quem está falando?”. O coitado do supervisor faz o possível, mas aí a confusão já está formada e a família sai reclamando e gritando, insatisfeita e inconformada com a situação.

Como que o Mohamed não vai sentar na janelinha né???

Passado este momento prazeroso, você se desloca para a sala de embarque. Lá já estão todos aguardando pelo vôo como se aquilo fosse o maior evento social do ano. As egípcias mais novas estão no seu melhor traje, todas maquiadas. Enfeitadas como se fossem para uma festa no Country Club. As mais velhas estão com suas galabeias pretas bordadas com pedras brilhantes e com as suas sacolinhas do Carrefour na mão.

As crianças estão TODAS correndo pela sala Aí você pensa consigo mesmo que quando elas entrarem no avião, as energias estarão esgotadas e elas vão cair em um sono profundo.

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

Daqui a pouco bate aquela fominha né? Mas para que ir até a cafeteria do aeroporto se a egípcia prevenida já trouxe o lanchinho de casa?

Lá vai ela, abrir sua sacolinha e tirar lá de dentro as mais diversas iguarias. Pão, homus (uma espécie de patê), bolinho de frutas secas, suquinho de caixinha quente, pasteizinhos e para não ficar só no carboidrato, ela leva também OVOS COZIDOS COM CASCA, os quais ela prontamente descasca ali mesmo, na sala de embarque.

Agora, você imagina o cheirinho apetitoso no ar…

A esta altura o vôo já está atrasado, sim porque vôo da Egyptair nunca sai no horário e você já esta impaciente com aquela “muvuca” da sala de embarque quando chega o fiscal de passagens.

Fila???? Crianças e idosos na frente??? Isso existe????

Os egípcios saem correndo para serem os primeiros a embarcar, mas antes disso o fiscal começa a perceber que as malas de mão estão BEEEMMMM acima do tamanho permitido. Claro, porque ele não viu isso na hora do check-in? Gentilmente ele pede aos passageiros que despachem a bagagem de mão, pois não haverá espaço na aeronave.

AHAMMMMMM. Senta lá!!!

Egípcio que se preza discute até o fim. Não se dá por vencido nunca!! E não é que ele ganha na base do grito?? Lá vão eles com suas “malinhas” tentar colocá-las no porta-pacote do avião. Advinha a confusão que não ficam os corredores???

Após o empurra-empurra na entrada da aeronave, você se senta confortavelmente (ironia) no seu lugar MARCADO e aguarda a decolagem, quando vem um egípcio desavisado e diz que você sentou no lugar dele.

– Não moço, sua poltrona é a 21B, aqui é a 12B.

Claro né, os árabes lêem de trás para a frente!!! (sarcasmo) E por vezes não estão familiarizados com os números ocidentais. Vem a aeromoça sorridente e acompanha o passageiro até o lugar correto. Isso acontece com vários passageiros. Sem contar o troca-troca de lugar para as famílias sentarem juntinhas.

Quando você acha que finalmente as portas se fecharão… Ainda faltam uma ou duas famílias que estavam dando uma voltinha pelo Free Shop. Como eu sei disso? Pela quantidade de sacolas dizendo DUTY FREE na mão delas.  Lá vêm elas fazendo confusão e gritaria pelos corredores. Como se fosse um absurdo o avião não esperar por eles.

Fecham-se as portas e o comandante dá as boas vindas, primeiramente em árabe o que é lógico, já que se trata da Egyptair e depois em inglês… Inglês??? Você simplesmente não entende nada do que ele diz. O som fica chiado com um ruído “babado”e até parece que o comandante está engolindo o microfone. Minha teoria é que é proposital já que geralmente o inglês da tripulação é precário. Assim, ninguém vai perceber que ele não sabe falar inglês.

Fica mais ou menos assim:

– Ladies and gentlemam shisnnsj on board shhshshshshshs flight shshshshshs… Sanky you!

Começa então as instruções de segurança no visor, mas antes algumas palavras do Alcorão que confesso até hoje não sei o que elas dizem. Apertem os cintos, poltronas na vertical e lá vamos nós…

O problema é que as crianças continuam correndo pelos corredores… Os pais gritando e os atendentes de bordo tentando pegar as crianças. Até que eles desistem e a decolagem sai assim mesmo.

Você já está tentando tirar aquela sonequinha quando percebe que, bem perto de você, estão sentadas uma quantidade razoável de crianças que começam a ficar impacientes com o vôo. Elas começam a chorar porque querem descer do colo da mãe, chutar a poltrona, brigar com o irmãozinho, dar tapa na cara do pai e sabe o que os pais fazem??? NADA!!

Eles olham para você com aquela cara de quem não está nem aí. Porque para eles criança de cinco anos não tem como controlar. É tudo “bonitinho”. Alguns até chamam a atenção, mas de nada adianta. E assim passam as horas de vôo e você não conseguiu nem dar uma piscadinha…

Os recém nascidos (sim porque egípcio adora viajar com recém nascido) estão chorando compulsivamente. Sabe por quê? Porque as egípcias não podem amamentar em público então quando a pressão do avião bate nos ouvidinhos dos bebês, as mães não podem fazer nada. Mamadeira? Nãooooo!!!! Só leite da mãe!!!

Na hora da refeição, aí sim o caos toma conta. Lá vem as aeromoças com o carrinho que mal cabe no corredor do avião. Mas é aí que o egípcio resolve ir no banheiro. É sempre a mesma história! Ele teve todo o tempo do mundo antes, mas a vontade só bateu agora né? Então, eles querem que as comissárias retirem o carrinho da frente para eles passar. E o pior é que elas fazem!! Não esqueça que tem a volta do banheiro né? Lá vão elas de novo de lá para cá, desviando das crianças que estão correndo novamente.

Somente uma vez eu vi uma aeromoça se recusar a sair. O vôo estava insuportável, todos se levantando e ignorando o sinal de apertar os cintos e ela tentando servir as refeições, quando um senhor levanta-se para ir ao toalete. Ela olha para e ele e diz algo do tipo “Sinto muito, mas o senhor vai ter que esperar.” Não é que o homem ficou o tempo todo atrás dela até a porta do banheiro reclamando???  Ela não saiu!!! Essa é das minhas!!!!

Na hora da aterrissagem é ainda pior. Nem vou mencionar a questão do cinto para não me tornar repetitiva. A bagagem de mão, que deveria estar embaixo da poltrona ou nos compartimentos apropriados, estão no colo dos passageiros. E ali ficarão!

Os alertas luminosos estão acesos, mas as pessoas simplesmente ignoram. Lá vem a tripulação levar cada um para seu lugar. As crianças? Bem, destas eles já desistiram desde a decolagem, lembra?

O avião toca o chão e você começa a escutar os barulhinhos dos telefones celulares. E quanto àquela regra de não ligar os telefones até se abrirem as portas? Egípcio que se preza não fica sem celular. Tem que avisar que chegou!!!

A aeronave ainda está em movimento, os alertas ligados, mas todos já estão em pé tentando pegar as “malinhas” e correr para a porta. Quem chegar primeiro ganha!!!! Ganha o que? Não importa, o importante é competir!!!

Mas não se esqueça que tem aquela família (os oito) que resolve levantar bem na hora que você está passando. E obviamente ela quer sair antes que você. Então você literalmente é empurrado para trás através de bundadas e é obrigado a esperar até que todas as sacolinhas sejam recolhidas.

A esta altura você já está exausto!!! Mas ainda não acabou.

Se você está chegando ao Cairo apenas completou a metade da empreitada. Tens que passar pela imigração e depois pegar as malas que geralmente demoram uma hora para serem colocadas na esteira. As vezes mais que o tempo de vôo. As crianças continuam correndo, só que agora em cima da esteira, ou empurrando os carrinhos de mala, batendo no seu calcanhar. Você fica ali em pé, uma hora, com cara de bobo pensando:

-O que foi que eu fiz?????

Visão Egyptair:

“Entregar competitividade e serviço ao cliente com o verdadeiro espírito egípcio.”

Beijos

VOU DE TAXI…

Para aqueles que se perguntam sobre transportes no Egito e têm a ilusão que vão se virar bem por aqui, como se faz na Europa, aqui vai uma explicação que provavelmente vai abalar muito mochileiro por aí.

Se deslocar no Egito é realmente muito difícil. Mesmo com carro próprio as dificuldades são imensas. Você se perde nas ruas, não consegue decifrar as placas, fica horas trancado em engarrafamentos sem fundamento e a probabilidade de bater ou ser batido é de 20% no mínimo. Existem outras opções, porém não chegam a ser um alívio ou uma salvação.

Taxi no Egito é super barato, porém a maioria dos taxistas não fala inglês. Se você não souber exatamente para onde está indo, a probabilidade de erro é imensa (ou de golpe). Outro detalhe que deve interessar os mais “exigentes” é que as condições dos taxis são precárias. Quando digo precárias é nó sentido triplicado.

Taxi Comum

A maioria dos carros são aqueles Ladas de mil novecentos e lá vai rosquinha… Você senta no banco e recebe uma visão panorâmica… do asfalto! Sim, porque o carro quase não tem chão e muito menos janelas. Muito cuidado para não tocar em nada, pois além de poder quebrar você ainda leva um “tétanosinho” de graça. Geralmente o motorista está fumando e ouvindo uma música árabe ensurdecedora. Ele NUNCA tem troco, não usa o taxímetro e você ainda corre o risco de dividir a corrida com outro passageiro. Tempo é dinheiro…

Existem os taxis mais sofisticadinhos, porém são mais caros. Os de cor branca que você pode pegar na rua são os mais aconselháveis. Eles possuem tarifário, mas o motorista sempre te pedem uma gorgetinha alegando que a volta vai ser muito difícil. O ar condicionado geralmente está desligado e se você pedir para ligar, certamente receberá uma cara feia. Eles acham que gasta muito combustível…

Existem ainda os taxis “executivos”, os amarelos. Supostamente mais novos (jura!!). Você liga e o taxi vem te buscar em casa. Ahammmmmmmmmmmmm!!!

Ah se fosse simples assim…

Taxi Branco

Primeiramente que para você conseguir a ligação a espera é de aproximadamente meia hora ao telefone ouvindo aquela musiquinha amável. Segundo que se você mora longe do centro a ligação deve ser feita no dia anterior. Isso mesmo!! Impossível conseguir taxi para daqui a vinte minutos. Só de um dia para o outro Inshalah. Emergências nem pensar!!!

Por fim, a possibilidade do taxi não comparecer no lugar e hora marcados é quase de 100%. Certo dia eu precisava ir a casa de uma amiga e liguei para a central de taxis. Pedi para que o taxi me buscasse nove horas da manhã do dia seguinte. Confirmei o endereço tudo como de costume. No dia seguinte, estou eu, toda prontinha as nove e nada do taxi chegar. Esperei mai um pouco já que pontualidade não é um forte dos egípcios… Nada…

Taxi Amarelo

Liguei para a Central:

– Olá, você poderia me dizer se o meu taxi vai demorar muito?

– Ah Claro, um minuto que vou contatar o motorista.

Passaram-se alguns segundos e eis que…

– Sra. O taxi não está disponível!

– Como assimmmmmmm????????                                       

– Sinto muito Sra. Mas o taxi não está disponível.Ele não poderá ir buscar a Sra.

Naquele momento uma raiva absurda invadiu o meu ser e eu desabafei tudo no atendente…

– Vocês são uns incompetentes. Isso é um absurdo. É por isso que este país não vai para frente. Vocês fazem uma revolução para tirar um presidente do poder, mas não conseguem nem enviar um taxi direito!! @%&0*#! @%&0*#!

Advinha o que ele me respondeu?

– Sorry Sra.

Fui até a portaria do meu condomínio na esperança que os seguranças pudessem me ajudar. Inacreditavelmente eles tinham o telefone de um taxista que chegou em 15 minutos. Fiquei um pouco receosa porque você nunca sabe o que pode aparecer, mas até que o taxi era arrumadinho. Obviamente que ele cobrou bem mais caro do que o de costume mas… paciência!

Se você for do tipo aventureiro e quiser arriscar um ônibus… esqueça!!! Ônibus são raros de se ver por aqui. O mais comum são as Vans. Impraticáveis!!!

Imagine uma Van que comporta doze passageiros carregando trinta? É pé para fora do vidro, mão na cara do outro e bunda colada na janela. Para ajudar tem sempre um cidadão que resolve fumar no percurso. Sem considerar o fato que você nunca sabe qual o destino dela. Não tem plaquinha, nem visor nem número. Cada dia o motorista decide para onde ir. Para onde o vento levar…

Van

A maioria das Vans está literalmente caindo aos pedaços. Não possuem portas, muitas vezes nem assentos. Os pneus estão tão desgastados que o aço chega a aparecer, mas mesmo assim elas atingem uma velocidade de 120 km/h. Impressionante!!!

Suuuuuuuper Seguro!!!!

Elas andam como querem e param onde querem. Não existem paradas por aqui! Geralmente elas coletam os passageiros nas curvas e nas pontes. Onde houver uma saída de carros e onde NÃO houver um acostamento é ALI o lugar que a Van irá parar.

O Metrô é o mais praticável de todos os meios de transporte. Prático, seguro e até que é limpinho. Só têm um probleminha. Possui apenas duas linhas. Imagine uma cidade de oito milhões de habitantes com cerca de 300 km² de extensão, apenas com duas linhas de metrô??? Impossível!!!!  As linhas não abastecem nem 20% da cidade.

Metrô

A única opção é Norte e Sul. Circula apenas pelos principais bairros. Muitas vezes você tem que descer em uma estação e continuar o trajeto de taxi ou Van. Vale mais a pena pegar o taxi logo de cara. A diferença de economia é mínima.

Existem planos para a construção de mais rotas. Elas deveriam ficar prontas em 2010. Nem começaram ainda…

A esta altura eu realmente espero que você esteja se perguntando como é que EU faço para me virar por aqui!!!

Bom, se o marido não me leva eu pego o taxi!! Como??? Como der!!!

Para sair do meu condomínio é mais difícil, mas uma vez que eu estou na rua eu ataco o melhor carro que eu encontrar e seja lá o que Deus quiser!!!

Muitas das minhas amigas possuem motoristas (que nem é tão caro assim), mas infelizmente não é viável para nós. Vou me virando com o que dá. E até que me saio muito bem obrigado!

No começo era mais difícil. Tinha medo de pegar taxi sozinha, levar um golpe, me perder ou ser seqüestrada, vai saber. Depois de um tempo você se acostuma e passa até a ficar confiante demais. Hoje eu xingo, acerto preço, exijo o caminho e se bobear até arrisco um direita e esquerda em árabe (que é só até onde meu árabe vai).

Praticamente uma local!!!

Existe ainda a última possibilidade de locomoção: Camelos!!!

Acredite ou não ela é ainda utilizada por aqui. O problema é que manter um no meu pátio não ia ser lá muito agradável! Hahahahaha. Mas acredite: Seria a opção mais segura de todas!!!!

Beijos

MEUS QUERIDOS AMIGOS

Nesta sexta passada fomos convidados para um churrasquinho
entre amigos aqui no Cairo e um dos assuntos em pauta foram as amizades fazemos durante o período de expatriado. Algumas pessoas acreditam que estas amizades são passageiras e outras acham que serão eternas. Bem, aqui vai mais uma vez meu ponto de vista.

Acredito sinceramente que se não fossem as amizades que fazemos quando estamos fora, seria praticamente impossível sobreviver. Quando estamos inseridos em uma cultura muito diferente da nossa, a tendência geralmente é nos isolarmos e muitas vezes ficarmos depressivos. Conheço muitas pessoas que são infelizes morando fora simplesmente porque não conseguem aproveitar o que a vida as tem tentado ensinar.

Para mim é muito difícil viver no Egito. Toda essa cultura diferente. Todas essas pessoas que não são em nada parecidas comigo. Ao mesmo tempo, agradeço à vida todos os dias por ter me dado essa oportunidade. Estou aprendendo muito e me tornando certamente uma pessoa melhor. Mas se não fossem meus amigos, talvez essa experiência não fosse tão gratificante.

Com as amizades a imagem do lugar que vivemos torna-se um pouco menos assustadora. Temos com quem dividir nossas frustrações, descobertas e principalmente nossa raiva. Porque acreditem, ficamos com muita raiva por aqui! Mas tendo amigos não precisamos guardá-la apenas para nós mesmos, porque certamente aquela pessoa que nos ouve, tem um sentimento muito similar ao nosso.

A saudade também é um pouco suavizada por estas amizades. Não que os amigos substituam a família ou mesmo os amigos deixados em nosso país, mas certamente eles ajudam a nos fazer pensar menos sobre o assunto. As pessoas daqui passam a ser a nossa família.

Portanto, acho muito difícil que as amizades que aqui construí irão se dissipar no tempo. Obviamente que com a separação, as lembranças ficam mais amenas, mas isso não significa que fiquem esquecidas. A memória de nossos corações, tenho certeza, é eterna.

Já me separei de amigos antes e me reencontrei com eles anos depois. Meus sentimentos permaneciam inabalados como se a separação nunca houvesse ocorrido. Com minha melhor amiga aconteceu isso. Nos separamos na adolescência e anos depois voltamos a nos encontrar. Mesmo tendo crescido, amadurecido e mudados nossos planos que outrora foram conjuntos, ainda assim, permanecíamos as melhores amigas. Hoje mais uma vez fomos separadas pelo destino, mas carrego-a todos os dias em meu coração.

Claro que isso não acontece com todos os amigos que passam por nossa vida. Nem todos ficam para a eternidade de nossas mentes. Existem pessoas que encontro através das redes sociais que por vezes custo a lembrar de onde são. Quando lembro, muitas vezes percebo que elas fizeram parte de uma importante etapa de minha vida, mas que certamente não foram realmente amigos. Gosto de chamá-los de conhecidos.

Acredito que os conhecidos chegam e passam por nossa vida por uma razão ou com uma missão. Menos importante que os amigos certamente. Mas todos são importantes em sua maneira. Nada nessa vida acontece por acaso. Nisso acredito fortemente. Por aqui também deixarei alguns conhecidos.

Mas isso não acontece com os amigos de verdade que fazemos fora. Estes sim têm um grau de importância muito significativo. Eles nos fazem suportar!!! E somente quem vive fora de sua pátria sabe como é difícil suportar!!!

Criamos esse vínculo com estas pessoas e depois quando nos damos conta que um dia iremos embora, percebemos como será difícil. A vontade de voltar para casa chega até mesmo a ficar duvidosa. Ficamos viciados uns aos outros. E agora?? Como vai ser quando o fulano for embora? O que eu vou fazer?

Bate um certo desespero.

Como criar uma nova rotina sem estas pessoas? Sem os telefonemas diários? Sem os jantares ou confraternizações que chegam a ser mais freqüentes do que as que costumávamos fazer com nossos amigos no Brasil?

Agonia…

Se voltarmos para nosso país, até poderá ser mais fácil. Mas não se esqueça que as pessoas que deixamos por lá, mudaram sua rotina e aprenderam a ficar sem nós. Teremos que nos re-enquadrar. Adaptar-nos novamente.

Se formos para outro lugar, teremos que começar tudo de novo, com pessoas novas e mesmo sabendo que isso indiscutivelmente ocorrerá, elas não serão como aquelas que deixamos por aqui.

A parte boa da história é que hoje tenho pousada em todos os lugares do Brasil… Rio, São Paulo, Minas, Bahia e por aí vai. Fora os internacionais como Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos e obviamente Egito.

Meus amigos do Egito são relíquias maiores do que as pirâmides. Serão eternos tenho certeza. Espero manter para sempre contato com eles. Sei que eles não serão mais parte de minha rotina no dia em que eu for embora, mas nunca deixarão de ser um pedaço da minha vida.

Quero agradecer a todos os meus queridos amigos do Egito por se fazerem tão importantes em minha vida! Vocês fazem a minha vida por aqui muito melhor!!! Amo vocês!!

Muito Obrigado!!!!

Previous Older Entries

Quantos já passaram por aqui...

  • 394,957 acessos

del.icio.us

The best

RSS A História de uma gata

  • Memorial 19/05/2016
    Tá tudo certo. Resolvido. Jurado e sacramentado. Até que percebo uma leve alteração na respiração ao estacionar o carro e meu coração acelerar no elevador e bater na garganta quando chego na porta. Ela abre. Eu disfarço. Faço uma piada, enquanto minha mente me joga, sem dó, frames de sons, momentos e sensações. Me lembra que voltei a brotar ali .E eu penso n […]
    noreply@blogger.com (Fernanda Copatti)

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 367 outros seguidores

%d bloggers like this: