EGITO, SAIA DO ARMÁRIO!!!

Um dos assuntos mais discutido nestes últimos meses é o casamento entre homossexuais. Alguns países, inclusive o Brasil, vêm aceitando cada vez mais a homossexualidade como parte da sociedade, portanto, passível de lei e de respeito. Particularmente eu apoio totalmente os direitos gays e principalmente a nova lei, que permite a união legal entre companheiros do mesmo sexo. Mas será que aqui no Egito também existe esta aceitação?

Claro que não!!!!

Bandeira Gay

Primeiramente por ser um país muçulmano, o Egito não tolera, aceita ou respeita a homossexualidade. Não existem leis específicas para isso, porém, outras leis que citam comportamentos obscenos e libertinagem são usadas para punir os acusados.

A religião islâmica é extremamente contrária a homossexualidade e possui Sharias (leis religiosas) específicas contra os atos homossexuais, passíveis inclusive de apedrejamento seguido de morte.

Em Maio de 2011, 52 homens que faziam uma festa em um barco navegando pelo Rio Nilo foram presos acusados de atos homossexuais e orgias aqui mesmo no Egito. Bom, o barco chamava-se “Queem Boat” (Barco Rainha), daí você já advinha que tipo de festinha estava rolando. Estes homens foram torturados pela polícia e 23 deles condenados à cerca de 3 anos de prisão. Relatos afirmam que as partes íntimas traseiras dos rapazes forma submetidas à inspeção médica, a fim de comprovar a homossexualidade dos mesmos.

O mesmo aconteceu em 2008, quando 5 homens foram detidos por “praticas

Egípcios presos por homossexualidade

profanas” e condenados à prisão. Afirma-se que por serem portadores de HIV, os egípcios foram tidos como homossexuais (????) e também sofreram de torturas sexuais para que pudesse comprovar relações anais. Aqui devo confessar que me bateu uma certa curiosidade sobre as técnicas utilizadas para a comprovação. Ânus têm hímem????

Bom, dito isso, vêm a parte que me cabe, ou seja, minha experiência e ponto de vista…

Não precisa ser muito observador para perceber que a homossexualidade está explícita na população egípcia. Basta você caminhar pelas ruas para perceber jovens praticando comportamentos duvidosos. E não, não estou me referindo ao comportamento tradicional dos árabes (homens) de dar beijinho na bochecha ou andar de braços dados. Refiro-me á forma de andar, de dançar e até de vestir dos mesmos. Postura!!!

Como aqui no Egito, sexo antes do casamento é considerado haram (pecado), muitos meninos iniciam suas atividades sexuais com os amigos. Isso não sou eu que estou dizendo. Existem centenas de pesquisas à respeito. Assim como as meninas praticam sexo anal para não perder a virgindade.

Ora, não podemos ocultar o fato que no período da puberdade, os instintos sexuais começam a aflorar e as necessidades físicas passam a ser de certa forma, incontroláveis. Principalmente no sexo masculino. Como estes rapazes nem chegam perto sequer do sexo oposto, nada mais cabível que a curiosidade seja suprida pelo amiguinho.

Uma vez praticado o ato… Já era!!! Hehehehe (brincadeira)

O que eu penso que ocorre, é que muitos destes garotos contin­­uam a praticar a homossexualidade até o casamento ao menos. Depois disso a moralidade religiosa passa a ser prioritária, já que a necessidade sexual é transferida para a esposa (pobrezinha).

O problema é que muitos deles demoram a casar. Ou ainda, não casam nunca. Como fazer então? Aqui não tem prostíbulo. Ao menos não assim como no Brasil. Sim, existem prostitutas, mas você acha que um egípcio de classe baixa tem condição de pagar??? Nem pensar! A saída é o melhor amigo mesmo.

É comum você sair à noite e ver grupos de homens juntos caminhando pelas ruas badalando pelo Cairo. Caçando??? Que nada. Não tem mulher na rua. Pelo menos não desacompanhada. Eles ficam a madrugada inteira rodando pelos lugares mais populares sem nenhuma chance de “se dar bem”, sem ter o que fazer. Qual assunto deles? Não faço a mínima idéia. Mas o que percebo são constantes brincadeiras que envolvem abraços, tapinhas e um excesso de intimidade que para mim é totalmente desnecessário. ­

Eles andam nas motos para lá e para cá, em 3 ou até 4 passageiros num esfrega, esfrega que só pode ser no mínimo “excitante”. Agarradinhos na cintura um do outro (lá no Rio Grande, macho que é macho segura atrás na moto, ou então se equilibra na marra!! Rsrsrsr). Necessidade??? Hummmm, tenho minhas dúvidas…

Lógico que existe uma parte da sociedade mais moderninha. Ao freqüentar as casas noturnas do Cairo já é possível ver mulheres beeeeeem saidinhas. Mas geralmente os freqüentadores são jovens de classe alta que em sua maioria já moraram fora do país. Ocidentalizados. Estes, e alguns egípcios mais estudados admitem a homossexualidade e muitos até a aceita como parte da sociedade. Mas estas pessoas são a minoria egípcia.

O cidadão egípcio é preconceituoso quando se trata de sexualidade. Não que o Brasil não seja. Mas certamente é mais dividido quanto ao assunto. Tanto que existem projetos de leis contra a discriminação.

Árabe gay

O fato é que assumir seu lado homossexual no Egito não é uma opção. Tanto a sociedade quanto a religião muçulmana não admite tal façanha. Então, se você perguntar por aqui, quase todos dirão a mesma coisa: – Não existem gays no Egito!!! Mas todos sabem que no fundo, isso não passa de uma hipocrisia.

O governo mascara a homossexualidade e a religião prega que é vergonha e pecado. O islã prega também, talvez para não parecer tão hipócrita, que no “caso” de existir um gay entre os muçulmanos, este poderá pedir perdão a Alah e procurar atendimento psiquiátrico para se curar. Nunca mais praticar sexo com o mesmo gênero e casar-se a fim de seguir as regras do Alcorão. Caso contrário…

Portanto, homossexualidade é tratada como doença, ou para os mais cultos, patologia. Passível de cura e de opção.

Mesmo os cristãos egípcios não admitem claramente a homossexualidade. Eles dizem que entendem e sabem que existam gays no Egito, mas não entre eles. São só os muçulmanos… Hahahaha.

Preconceitos à parte, as pesquisas estão disponíveis para quem quiser ver. Não existe país que não possua homossexuais. Desculpem-me àqueles que não concordam. O que ocorre é que devido às severas punições aplicadas e a vergonha social a que os gays são submetidos, torna-se impossível sair do armário. Isso vale para ambos os sexos.

Então, por aqui você pode vestir-se como tal, agir como tal, transar como tal. Mas nunca, jamais, assumir-se com tal.

Beijo à todos!!!

Quantos já passaram por aqui...

  • 394,957 acessos

del.icio.us

The best

RSS A História de uma gata

  • Memorial 19/05/2016
    Tá tudo certo. Resolvido. Jurado e sacramentado. Até que percebo uma leve alteração na respiração ao estacionar o carro e meu coração acelerar no elevador e bater na garganta quando chego na porta. Ela abre. Eu disfarço. Faço uma piada, enquanto minha mente me joga, sem dó, frames de sons, momentos e sensações. Me lembra que voltei a brotar ali .E eu penso n […]
    noreply@blogger.com (Fernanda Copatti)

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 367 outros seguidores

%d bloggers like this: