ESTÃO TODOS BEM!!

 

Palavra do dia:

Família: a’ilah

**********************************************************************************************

Olá gente. Após 25 dias de muito frio no Brasil amado, estou de volta ao calor devastador do árido Egito. Confesso que estes poucos dias de inverno me fizeram sentir saudades do clima daqui. Definitivamente nasci para o sol.  Alguém lá de cima poderia me explicar qual a graça na combinação entre frio, chuva e umidade?? Só pode ser pegadinha neh!

As férias foram ótimas! Matei a saudade da família, de “quase” todos os amigos (me perdoem aqueles que não consegui ver, mas amo vocês), engordei 10 quilos, afofei os pentelhos do meu irmão e do meu afilhado, tive uma contratura muscular carregando minha sobrinha levemente pesada, batizei meu novo afilhado, levei muitas lambidas dos cachorrinhos e no fim faltou tempo para quase tudo!!!  

Mas estas férias também serviram para me fazer refletir sobre algumas coisas que até então nunca havia antes pensado. Durante estes dias alguns pensamentos rondaram  a minha mente, o que me deixou em um primeiro momento confusa e depois totalmente realizada emocionalmente. A verdade é que não paramos para pensar como somos realmente afetados pelas mudanças que a vida nos impõe.

Família unida permanece unida!

Quando estamos longe dos entes amados, tudo fica meio sem sentido no começo. Sentimos falta da gritaria, dos compromissos, das datas especiais, dos almoços e dos jantares. Sentimos que falta um pedaço de nossa vida a ser compartilhado, que nem mesmo a tecnologia avançada da informática pode suprir. Os abraços e os sorrisos ainda não podem ser substituídos pelas pequenas figurinhas que enviamos pelo MSN.  Somente quando estamos distante é que percebemos o real significado da palavra família. Mas existe outra palavra que eu acredito ser mais difícil de entender o significado: a palavra LAR!!

Quando as pessoas se casam, elas começam a construir um novo lar. A família passa a ser agora um coadjuvante em nossas vidas, não menos importante, porém, um pouco menos participativa. Mesmo para aqueles que moram na mesma cidade de seus familiares, as rotinas passam a ser diferentes e automaticamente a vida toma um novo rumo.  No meu caso, a história é um pouquinho diferente, pois meu lar está a 9.000 km de distância da minha família o que faz com que o dia-a-dia seja ainda mais isolado e a saudade mais difícil de ser matada.

Para nós (Rodrigo e eu) não existem os almoços de domingo na casa do pai ou dos tios, as idas ao shopping com as mães ou os jantares de quartas-feiras na casa dos cunhados. Por aqui, somos apenas nós dois. E se não fossem as amizades que adquirimos, seria ainda mais solitário. Agora você deve estar pensando: Que triste viver assim!!!

Vou contar um segredinho…

Enquanto eu estava no Brasil, junto da minha família, me peguei algumas vezes sentindo saudades da minha casinha, essa mesma, a minha casinha do Egito. Quando voltamos ao nosso país, percebemos que não temos mais aquele mesmo espaço de antigamente. Nossos pais seguiram suas vidas assim como os nossos irmãos. Não fazemos mais parte daquela rotina que um dia também era a nossa, agora temos uma nova. O mundo deles não para porque você está lá. Nada mais justo!

Por mais que todos não meçam esforços para nos agradar, sentimos bem no fundo que lá não é a nossa casa. Aquele não é o nosso quarto, mesmo que tenha sido um dia. Somos VISITAS!!  Ficamos totalmente divididos entre a saudade do nosso lar e a saudade da família. É um sentimento engraçado. Um pouco egoísta até. Por vezes até me culpei por me sentir assim, mas não é algo que podemos escolher sentir ou não. No fim, acabei entendendo o real significado de tudo isso e ele está bem longe de ser triste.

Nosso lar é aquilo que construímos com amor. Não importa se no Brasil ou no Egito. Nossa família sempre será nossa família, isso é insubstituível, mas o mesmo não acontece com o nosso lar. Podemos construir ele em qualquer lugar, sozinhos ou com alguém. O que importa é que aquele lugar é nosso. Lá está as nossas coisas, nosso cheiro, nosso jeito! Cada coisa no lugar que designamos para ela. Passamos a viver a vida de uma forma mais completa. Estamos começando a NOSSA família.

Precisamos aprender a cortar os laços. Não estou dizendo que devemos excluir nossa família da nossa nova vida, ao contrário, a participação dela é fundamental, mas sim que precisamos entender que os vínculos

demasiados não são saudáveis. Não podemos ficar presos aos nossos pais para sempre e vice-versa. Nessa relação não podem haver dívidas ou cobranças, mas sim alegrias pelas realizações e pelas mudanças. Fiquei muito feliz quando percebi que a minha família sobreviveu sem mim. Hehehe. Quanta prepotência pensar que a vida deles seria triste longe de mim! Que nada!!! Muito pelo contrário!!! Meu pai reformou a casa e meu antigo quarto agora é do meu irmão, o qual eu cedo alegremente. Minha mãe comprou seu próprio lar e está super contente, cheia de metas me restando apenas  o sofá-cama. Os demais também deram continuidade aos seus planos e, acreditem, eu não faço parte em nenhum deles e nem quero fazer!!! E o melhor, a saudade permanece!!!

Nessa minha visita eu descobri que é muito bom ir, mas também é ótimo voltar. Isso pode acontecer em qualquer lugar do mundo. Mesmo quando vamos passar o domingo na casa de alguém. Você vai e é tudo ótimo, mas quando você chega em casa no final da tarde é melhor ainda! Eu senti sim saudades da minha rotina egípcia. Eu entendi que minha vida se transformou e que agora as minhas prioridades também mudaram. Antes, tudo que eu queria era chegar do trabalho e ir para o meu quarto ver TV na casa dos meus pais. Hoje, tudo que eu espero é o Rodrigo chegar para jantarmos e ficarmos juntinhos vendo TV. Tenho certeza que para os que ficaram no Brasil, o mesmo acontece. Claro que sempre lembramos uns dos outros, mas alegres por saber que todos estão bem.

O que eu quero dizer é que o mundo não para porque você está longe. Não pode parar!! Essa saudade que sentimos é extremamente saudável. Não suportaria saber que minha família sofre por causa das minhas decisões ou pela minha ausência. Nem quero ter a obrigação de ter de ficar agradando a todos toda a vez que voltar ao Brasil. Odeio este tipo de obrigações!!! Não quero ter que medir quanto tempo passo com um e quanto tempo passo com o outro. Não é isso que mede o amor. Apenas quero que esse tempo seja alegre em todos os seus minutos. Como é bom chegar ao aeroporto, após 20 horas de viagem e ver que toda a sua família esta lá, te esperando como sempre. E o melhor, ver como estão felizes!

Vamos deixar de ser egoístas e encarar a vida de uma forma mais inteligente. Vamos curtir os momentos que passamos juntos e também os que passamos separados. Vamos entender as prioridades dos outros e aprender que o mundo não gira em nosso redor. Vamos ficar felizes por sermos apenas visitas na vida dos outros, afinal, visita não cozinha, não passa roupa e nem lava a louça não é mesmo?? Isso a gente faz em casa!!!

 Beijo à Todos

7 comentários (+add yours?)

  1. Dilza da Costa
    Ago 09, 2010 @ 08:40:08

    Oi Andreia, tu deves lembrar, sou mãe da Camila de Dubai. Foste muito feliz nas colocações.Parabéns, espero que outras pessoas leiam este relato, o importante é ver nossos filhos felizes aonde estão, independente de local.Beijos no coração.

    Responder

    • Andréia Feijó
      Ago 09, 2010 @ 15:33:17

      Oi Dilza
      Fico muito feliz por pensares da mesma forma!!! Tu sabes bem como é viver longe dos filhos e mesmo assim torce para que eles sejam felizes onde quer que for!!!
      Grande Beijo

      Responder

  2. Cami
    Ago 09, 2010 @ 06:15:44

    Virou filósofa agora???? hahahahah Não poderia ter achado melhores palavras para descrever… é exatamente o que sentimos!!!

    Responder

  3. Paulo Afonso
    Ago 05, 2010 @ 19:23:59

    Dada,
    Sensacional o que tu escrevestes!
    Fiquei emocionado lendo isso, retrata realmente o que sentimos quando estamos longe de casa.
    Um super beijo para ti e o Rodrigo

    Responder

    • Andréia Feijó
      Ago 06, 2010 @ 17:38:58

      Obrigado Paulo,
      Tenho certeza que tu te sentes da mesma forma, mesmo que seja somente a alguns quilomentros de distância!!!
      Beijão

      Responder

  4. Fernanda Copatti
    Ago 03, 2010 @ 13:12:43

    Muito lindo o texto! Te amo e te levo sempre comigo… Beijos

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Quantos já passaram por aqui...

  • 336,119 acessos

del.icio.us

The best

RSS A História de uma gata

  • Memorial 19/05/2016
    Tá tudo certo. Resolvido. Jurado e sacramentado. Até que percebo uma leve alteração na respiração ao estacionar o carro e meu coração acelerar no elevador e bater na garganta quando chego na porta. Ela abre. Eu disfarço. Faço uma piada, enquanto minha mente me joga, sem dó, frames de sons, momentos e sensações. Me lembra que voltei a brotar ali .E eu penso n […]
    noreply@blogger.com (Fernanda Copatti)

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 354 outros seguidores

%d bloggers like this: